Skip navigation

Tag Archives: VIOLENCE

A política hoje está sendo reescrita.

Um lado desse processo é uma reavaliação das forças, por assim dizer, libidinosas. Ou seja, em parte a sociedade quer rever e reestruturar a sua relação com o sexo. Muitas vezes as pessoas tentam colocar isso como uma mudança pequena, como se não fizesse tanta diferença assim, como se no fundo sempre foi “um segredo que todo mundo sabia”, e que a única diferença é que agora dizemos coisas que antes ficavam subentendidas. Mas isso é traiçoeiro: Sempre existiram homossexuais, é claro, mas dizer que a homossexualidade de alguém deve ser critério de organização do seu projeto de vida é tão radical quanto dizer que alguém tem o direito de pedir divórcio o parceiro não mandou bem na última trepada. Eu, individualmente, intimamente, sou ligado à ideologia feminista e a defendo. Mas também reconheço a lógica do meme da [Ditadura Gayzista] e acho que é importante assumir que quando a ideologia de gênero se coloca como uma “não ideologia” está fazendo o mesmo que o machismo fazia antes, ou seja, naturalizando-se.

Longa história. E, entretanto, o arquétipo contrário da libidinosidade parece se apagar. Como tudo que é renegado, ele volta em seu pior aspecto. Talvez, portanto, seja preciso reavaliar também as forças da agressividade. Read More »

Advertisements

Um amigo me perguntou isso aí em cima. Eu seria relapso se não apresentasse a resposta do mais sábio dos sábios:

Dizimar seus inimigos e estuprar suas esposas. — Genghis Khan

Isso é uma piada. Vivemos num mundo tão tosco que eu sou obrigado a colocar uma retratação depois.

O lance é que há um milhão de coisas “espertas” pra se dizer depois dessa pergunta, mas, no fundo, nenhuma dessas coisas responde. Nesses casos, eu tendo a pressupor que a pergunta está mal formulada — ou, inversamente negando, que a pergunta tem baixo poder de penetração.

Isso também foi uma piada. Read More »

Nos bons e velhos tempos quando ainda existia feminismo, eu era um calouro sem-noção e arranjei uma namorada muito f0d4 que me ensinou várias coisas importantes. Uma vez essa menina falou pra eu ir em alguma coisa de feminismo, tipo uma manifestação ou encontro, e eu respondi “Mas eu não sou mulher!”. Ela fez uma cara de vergonha alheia, respirou fundo e disse “Você não sabe do que você tá falando…”  e me deu uns fanzine pra ler, depois umas xerox, depois Haraway, e assim foi. Vários anos depois estava lendo Bourdieu e Butler. E foi uma jornada, o assunto deu vários nós na minha cabeça que eu fui tendo que desenlaçar aos poucos.

Mas a tal ex-namorada me explicou desde o comecinho uma coisa muito importante: Feminismo não é o contrário de machismo. Ser feminista não quer dizer querer que as mulheres ocupem a posição de privilégio que antes os homens ocupavam, e definitivamente não quer dizer tornar as mulheres as opressoras. Portanto, não é contraditório um homem ser feminista.

Portanto: Esse papo de que feminismo é contra homens é uma estratégia clara do patriarcado para desacreditar o feminismo. Read More »

Violence can be both good and bad. Your gut is right now killing thousands of bacteria, this is biochemical war, it goes on all the time, and we would not be here without. Even if we would like to, we can’t but call it good. But violence can be cruelty.

Generally, people tend to like to refrain from violence. We like to be good. But refraining from violence leads to cruelty. Unavoidably. But it isn’t so easy to see the why. Read More »