Skip navigation

Tag Archives: ethics

Dominique,

Você diz que eu “só quero ganhar a discussão” na verdade porque eu presto atenção nas coisas que você diz, ou melhor, eu presto atenção nas coisas que as pessoas dizem — é só por prestar atenção em você que eu vejo (e te digo) as incoerências dos seus argumentos, e sim, eu faço isso, eu fico apontando os erros no que você me fala, mas daí a você me imputar a arrogância de querer impor minhas idéias há uma grande distância, e uma maldade enorme, pelo seguinte: você sabe que eu quero saber a sua opinião, e se você me convencer dela eu mudarei minha vida para estar de acordo com a sua idéia, atitude que você não partilha, e nem tinha que partilhar, mas veja bem: dizer que sou eu que “quer vender a discussão” é me acusar de prepotente por estar aberto à sua influência — contradição à qual você chega simplesmente por não entender que, quanto mais eu te respeito, e quanto mais eu levo à sério o que você me diz, maior é o risco que eu corro: se você me convencer de uma burrada, eu vou me ferrar muito mais do que você, portanto eu tenho sim que avaliar suas idéias com rigor; quando eu coloco as suas idéias dentro da minha vida, passa a ser o meu cú que está na reta; e amar é um direito, o que quer dizer que se eu resolvo te amar você não tem nada a ver com isso, nem como obrigação de me amar de volta, nem como autoridade de dizer que eu estou levando suas idéias a sério demais; o único que você poderia dizer é: “Eu não levo o que eu te disse à sério o suficiente para me preocupar com as contradições” e também “Não sei porque acredito nessas coisas, só sei que acredito” — muito justo, mas aí a culpa já não é minha.

Ass. Fernando

Advertisements

No último ano uma conversa se repetiu muitas vezes, mais ou menos assim:

Amiga: Daí eu me senti muito usada.
Eu: Bom, homens também se sentem usados às vezes.
Amiga: Quê?
Eu: Bom, se uma mulher for eskrota com um cara, o cara vai sofrer, como qualquer pessoa normal.
Amiga: Não entendo.

E aí a coisa degringola porque a mina não consegue compreender que um homem possa se sentir usado. Essa idéia simplesmente não entra na cabeça delas. Se eu insisto no assunto começa a parecer que não estamos falando a mesma língua.

Então vou tentar explicar por escrito…

One thing that, i guess, would help to understand me, (assuming anyone is trying to which is kinda arrogant but anyway), is the way i evaluate people. Because, you know, i am kinda good at the whole understanding people thing, which came as quite a surprise to me, when i realized it was the case. And of the various things i can or cannot do, this is one that does not translate easily into words, it is something that is very awkward to explain. So maybe it is not really straightforward, let me try to talk about it a little. Read More »

Violence can be both good and bad. Your gut is right now killing thousands of bacteria, this is biochemical war, it goes on all the time, and we would not be here without. Even if we would like to, we can’t but call it good. But violence can be cruelty.

Generally, people tend to like to refrain from violence. We like to be good. But refraining from violence leads to cruelty. Unavoidably. But it isn’t so easy to see the why. Read More »