Skip navigation

Festival de Curitiba is a theatre convention that happens over here, there are lots of plays for 10 days straight and i just jumped on, i just did a theatre marathon. In short:

  • What i liked the most: “O Banho”, “Arapucaia”, “Escaparate”
  • The ratio of good plays to bad plays: surprisingly high, as in few sucked
  • Total number of plays i went to: 23!!

“O Banho”

…which stands for “The Bath“, by Companhia do Abração. The play happens in a square stage, with the audience sitting in 4 rows of 6 seats at each side. No more than 24 people can watch it each time. Crazy, uh? Behind you there’s a curtain of plastic bags filled with water, and during the play the actors walk there and whisper and sing and even blow behind your back, it’s extremely sensual and entrancing.

And i must say: it was one of the most beautiful things i ever saw in my life. One of those things that make you feel grateful to be alive.

It is a spectacle of incredible humbleness and grace. It talks about accepting life as it is, and being happy about it, and seeing how beautiful it is even when we hurt. It talks about the simple things, about the true things. It talks about us, i think, about being a person inside this world-like-a-river that flows and flows and sometimes seem so purposeless and then there are those precious few times when you can be alone with yourself and just pause a little and savour the few drops of fresh water, the few really meaningful things in life. Like friends. Like this play.

I have no words. Wonderful.

How can they create such beauty with only one word?:

“Vem” [“Come“]

different adaptations

Since there where so many plays at the same time (like in, after my marathon i did not certainly watch even 5% of everything) it so happened that there were two different adaptations of at least two plays: “O Diário de um Louco” (by Gogol) and “Mahagonny” (by Brecht). I went to all them 4! The idea was to inquire such imponderable questions as — is it the Director or the Playwright the main artist behind a play? — is it the style or the story that impacts us more? — is a message the same when presented in a different form? — is it the end that justifies the play or is it the development?

The first thing is that, using the same text does probably create some correlation between two plays, likely because two directors that get interested by the same text probably do have more in common than two random directors, the voice that stands out of two adaptations of the same play are very, very different. The same phrase spoken by two different actors in two different contexts can have worlds between them.

It’s also interesting to see the importance of styles. In this particular example one play used very “realistic” and “spetaculous” costumes and makeup, and the other used masks and patchwork clothes. You can’t usually say what is the effect of a given style, but you can’t deny also that it changes things.

Does knowing how a given play will end change how much you will like it or not? For example “Diary of a Madman” is very much about the slow progression towards madness, so in many ways it all just makes sense when you finally observe madness taking shape. Curiously, i did like the first adaptation i saw much more than the second. I would say that the actor was much better, but maybe having already seen how things work out was part of it.

beyond the stage

Many of the plays i went to did happen outside the usual audience-stage-backstage theatre. Some were on the street, some even tried to defy those notions. For example, Erro Grupo‘s “Escaparate” play begins with the projection of a computer screen on the wall of a building where a girl is talking on skype, and then the guy to whom she is talking to appears, and their talk is actually redirected to loudspeakers, very very interesting. Then they begin walking around, the audience actually has to go after them, there are moments when they are talking through the glass of a clothes shop nearby.

I think it is brilliant. I do not know what they accomplish with it, but it definitely makes the whole space around them very plastic and meaningful.

In another play (“Los Juegos Provechosos”), an actress comes down from a building through abseiling. Again, i think those efforts do not have a complete, understandable, concrete meaning. I think that they have too big a risk of not being saying nothing. Of being empty. So, yes, i love them but i think they must be articulated into bigger structures. Do not change the formats just to shock the audience, create meaning with that.

Obviously one of the goals of it is indeed shocking the audience out of their passive role, out of being a “generic spectator without a say in what’s going on”. But that is also misleading, for the actors do have a whole structure of behaviours and happenings prepared, so their freedom in doing things and participating is enormously bigger than the guy who’s watching.

I remember a choreography where the dancers would call the people on the audience to the stage, only with hand signals, and i guess it was only supposed to be a commentary about the division, but then one guy actually went up to the stage, and the dancers didn’t know what to do. On the other day, there was a talk with the choreographer who was also a dancer, and he said that the dancers had a responsibility to be meaningful up there, and if the guy would go up he had to assume the same responsibility and not depend on them making his appearance work. I kind of thought he had a point, but that it was also coward of him to just shrug it off like that.

Anyway, even plays with pretty much traditional structures tried to break the audience/stage divide. For example, a play about Bukowski distributed some beers to the audience. Or in my beloved “O Banho” the actors would joke about throwing water in the spectators. There was even a play where the actors said that “this is not an interactive play, so you can sit closer”!

I guess it says a lot about not only our contemporary society, but about what is the official reading you have to have about it. I mean, you are supposed to think that the barrier between stage/audience is a bad thing, that you must either ignore it or try to breach it, that you can’t acknowledge it and reinforce it.

Which brings me to another thing i noticed with some pleasure. There was a big number of plays that dealt with sociological issues, that intended to discuss things like Spectacle Society, or Consumerism, or Benjamin, or whatever. Obviously i did tend to go to those much more than your run-of-the-mill comedy about relationship misunderstanding, but either way.

I even came across a paper about theatre and social movements. Cool.

other things

I went to “A Cabra”, one of the run-of-the-mill comedies, just to see Zé Wilker live, and he is a monster, he is unbelievably good, but i think it does a disservice to the play, since the other actors at some points seemed to have relegated themselves to “supporting cast” — not being as bright as they could have been just because, you know, Zé Wilker is the star and he must shine. And also the play seemed to be libertarian (as in the end they show how everyone’s worry was not about love or the happiness of the couple, but just about “what other people would say”) but in a way that no one was likely to understand, as in it was libertarian without being clear about it. I had mixed feelings.

There was a spectacle based on Dostoievski, “Rato do Subsolo, ou o ódio impotente”, which i loved, showed how you do not have to be revolutionary to be wonderful.

One of those things that impressed me a lot as a designer was an adaptation of Becket where the actress begins to pick purses of all kinds and shapes and sizes, so that pretty soon she is almost tied up with them. It was beautifully tied with the play. In a given moment she says that “if she wasn’t so tied up i would just fly away”… Gives you lot’s to think.

And the Heineken bar at Memorial de Curitiba did rule insanely.

About these ads

11 Comments

  1. Hi!
    Thank you for the text and the comments on our play, Escaparate. It is good to go to a huge festival like curitiba’s with so many options and acknowledge that we reached someone with our work.
    I just think that is an important diference between Escaparate and Los Juegos… that reveals the goals and the research of two diferent theater groups. The structure of Escaparate leads to the use of the urban space and the transformation of the whole city as a scenary for the play, but in Los Juegos… the use of the urban space leads to a non-structured play, I´m not judging, but they are two different procedures.
    Anyways your analysis is very important and moving.

    The best of my regards,
    Pedro Bennaton

  2. Duas peças diferentes, sem dúvida. Não tinha a intenção de compará-las, se soou assim… bom, mal aê. O que eu queria, na real, era chamar atenção para essa… “pulsão”… vontade… que eu vi em várias peças (inclusive por exemplo teatros mais “tradicionais” como uma montagem de Brecht na rua) de de certa forma “ultrapassar” a barreira entre espectador e ator. É quase como um movimento paralelo ao impressionismo que, vendo o impacto da fotografia, tentou explorar o que a pintura podia fazer que a foto não podia. Seria como o teatro tentando ser o que a televisão ou cinema não pode. Certamente, o “risco” que eu aponto (de ter expressividade mas não expressão, de não estar “falando” nada apesar de estar usando um monte de “palavras”) é bem trabalhado em “Escaparate”, principalmente com o final (que eu acho brilhante) caindo para uma veia “brega” que eu leio como um lembrete de que a análise e a crítica não invalidam a “experiência direta”, de que falar de “mídia” não envolve parar de sermos nós mesmos que nos amarramos num filme pipoca de vez em quando e, admitamos, também nos emocionamos com uma rosa (embora eu duvide muito que a intenção original tenha qualquer coisa a ver com a minha leitura…)

  3. (The above, translated::) Two different plays, indeed, “Escaparate” and “Los Juegos”. I wasn’t trying to compare anything, if it came out this way… well, sorry. What i wanted was more like to try and draw attention to this… how to call it? drive? intention?… that was present in many plays (even in more “traditional” theatre like a street-staged Brecht play for example), an attempt to somehow cross the gap between spectator and actor. I almost see a parallel with Impressionism that, upon seeing the impact of photography, tried to take painting where photo could not go. It would be like theatre trying to do what television or cinema can’t. Certainly, i see the “risk” mentioned (of not “saying” anything) well dealt with in “Escaparate”, if nothing else by the ending alone, which assumes a “cheesy” side, in a way, where i read (even if i doubt the authors would recognize their intentions in this reading) as a reminder that analysing and criticizing contemporary society does not take any value away from “direct experience”, that it does not imply an attempt to not be ourselves, a bunch of people who do indeed enjoy popcorn and a good-old campy film. We that, let’s be honest, do get moved by a rose.

  4. Achei muito interessante o texto, embora ele não exponha mais possibilidades de leitura da obra (principalmente para o caso das pessoas que não viram os espetáculos), o que considero ser parte primordial da exposição crítica. Por exemplo: será mesmo que nada está de fato sendo dito? Será, única e exclusivamente, um discurso sobre o vazio? Não, ‘LOS JUEGOS PROVECHOSOS’, para citar um exemplo do qual eu participo, não é uma “peça não-estruturada”, como citado acima. Muito pelo contrário, a estrutura é nitidamente demarcada e existe para veicular toda a informação ali pertinente, muito embora não seja somente uma “peça”.
    É sempre bom lembrar que as coisas não precisam necessariamente ser ditas e/ou escritas para suscitarem possibilidades de leitura da obra. Quando isso não acontece, geralmente transmissor e receptor saem frustrados e prejudicados pela falta de preparo de ambos.
    A Companhia Silenciosa acredita na multilateralidade das recepções, o que dá ao espectador mais chances políticas de se envolver nas questões temáticas propostas muito mais do que o submetermos (mais uma vez arbitrariamente) a um ponto de vista solidificado e solidificante.

    Agradecidamente,
    Léo Glück,
    Companhia Silenciosa 2009.

  5. Márcio você toca no nervo da discussão quando explicita que a crítica caminha junto ao fator da experiência.
    Na rua nada é nítido.
    É uma inocência achar que, quando se interfere nos fluxos e na paisagem da rua, achar que um ângulo de visão se repetirá nitidamente em outros. Alguém que assiste da janela de um prédio obviamente verá algo diferente da pessoa que assite do chão.
    Ou seja, nenhum dos comentários renega a multiplicidade das experiências e, ou, de interpretações. Contudo, não existe uma ausência de estrutura em Los Juegos…, ausência que está presente em Escaparate, não pelos diálogos, mas pela própria forma. A peça não estruturada, Los Juegos…, poderia ter uma ausência de estrutura, um vazio, mas não tem. As ações da peça não dão ao transeunte “chances políticas de se envolver nas questões temáticas propostas”. Além disso, não dá chance de o receptor sair frustrado e, ou, prejudicado. Não dá chance de colocar sua falta de preparo em cheque ou em choque, pois a não-estrutura não deixa ele penetrar na ação, com exceção de um bilhete que obriga uma interação direta com a ação da peça.
    As ações que acontecem do começo ao fim explicitam a não-estrutura, e está nisso o mérito de Los Juegos… Como no comentário acima fica claro que o que é sólido é a busca da Silenciosa e seu potencial.
    Abraços
    Pedro Bennaton

  6. Damn, i didn’t want to make no comparison between “Escaparate” and “Los Juegos”. For me they are two completely different things.

  7. Para Léo Glück: é uma bobagem transformar um “apelo por um pouco de narrativa” em “submissão a um ponto de vista solidificado e solidificante”. É claro que qualquer coisa pode ser lida de formas diferentes, o problema é construir alguma coisa a partir do que você está falando.

    Assim, por exemplo, quem assiste “Los Juegos” não vê um “começo, meio, fim” exceto pela sequência temporal dos acontecimenos — as várias “partes” da “não-peça” só formam um todo por estarem mais ou menos próximas.

    Essa “toda a informação ali pertinente” que você imagina em “Los Juegos” existe mais na cabeça da organização que na de quem assiste. É claro que é possível pegar um discurso ideológico e justificar os diversos happenings ali, mas esse discurso não interessa à platéia. E nem deveria interessar.

    De certa maneira, “Los Juegos” impõe um discurso quase moralista, uma leitura depreciativa do mundo atual — e se o espectador não concordar, azar o dele. O único fio condutor entre tudo o que acontece ali é essa leitura depreciativa.

    E quem não se afeta por esse discurso recebe a pexa de “não consegue reagir à altura do nosso espetáculo”. No fim, é o seu discurso que força um ponto de vista solidificante, e não o meu.

  8. É realmente uma pena que a maioria opere assim no mundo. Me entristece muito e me impele a criar ainda mais leituras (depreciativas ou não) a serem fruídas.
    Realmente não é um problema da “organização” das artes de uma maneira geral a falta de referencialidade básica dos espectadores do sul do brasil na atualidade dissonante.
    Eu acho que o Erro Grupo, por exemplo, está aí para veicular o seu “panfletarismo” todo aos quatro ventos. E que bom que existe alguém preocupado com essa fórmula; mas é sempre bom lembrar que o envolvimento político não deveria ser totalitário e/ou uma imposição e sim uma escolha. Sempre.
    Não é esse, de qualquer forma, o meu trabalho e nem o da minha Companhia. Nossa visão de mundo é diferente e justamente aí é que está o diálogo.
    Fico a um só tempo impressionada e agradecida com o que conseguimos suscitar.

    Agradecida pelo espaço mais uma vez,
    Léo Glück,
    Companhia Silenciosa – 2009.

  9. Márcio, o que te leva a pensar que “De certa maneira, “Los Juegos” impõe um discurso quase moralista, uma leitura depreciativa do mundo atual — e se o espectador não concordar, azar o dele. O único fio condutor entre tudo o que acontece ali é essa leitura depreciativa”? BINGO! Você conseguiu chegar na sua particular e única visão sobre o assunto. Essa é uma das caracteríscticas do discurso irônico: o leitor tira sua própria conclusão e imagina que, “obviamente”, esse sentido foi passado a ele como verdade, obviamente… rsrsrs. Comunidades discursivas…

    Giorgia

  10. Sou diretor de “Los Juegos Provechosos”, e somente agora estou me inteirando de toda essa discussão. E percebo alguns equívocos (ou, no mínimo, imprecisões) nas considerações postadas acima.

    Primeiro, em relação ao termo “estrutura”. Dizer que “Los Juegos” não tem estrutura ou demonstra falta de atenção, ou um mal uso do termo. Se por “estrutura” entende-se exclusivamente o encadeamento linear de uma narrativa, carregada de elementos dramáticos, identificáveis racionalmente dentro de uma lógica facilmente decodificável, convencionada, NÃO, “Los Juegos” não tem estrutura. Assim, “Los Juegos”, definitivamente, não vai satisfazer nenhum apelo por um pouco de narrativa… Não é essa a nossa pesquisa, nem a nossa maneira de interagir artisticamente com o mundo. Mesmo não possuindo esse tipo de estrutura, “Los Juegos” é bastante estruturada, sim, mas de uma maneira diversa, para além das construções formais narrativas/dramáticas. A própria dramaturgia espacial (em seu estreito e indissolúvel diálogo com a cidade), estabelecendo diferentes graus de relação com o público e com a arquitetura, criando diferentes graus de risco aos atuantes, já demonstra o quanto é estruturada a ação. Vale lembrar que a ação “se repete” nos diferentes dias de apresentação… Dizer que as cenas não tem nenhuma ligação entre si, além de acontecerem uma após a outra, é, no mínimo, ingênuo. Procedimentos como a collage, a utilização de leitmotive e a construção pelo environment já estão mais do que estabelecidos na criação artística, desde a década de 60. Talvez seja isso que o Pedro chama de “não-estrutura”… (Confesso que não compreendi muito bem essa colocação).

    Outro ponto: não consigo entender (embora, infelizmente, esteja quase acostumado a ela…) a mania que algumas pessoas tem em dizer que espetáculos como “Los Juegos” não interessam ao público, que afastam as pessoas do teatro, que os espectadores não entendem nada (e por aí vai…). Como essas pessoas tem a capacidade de falar em nome de outros? Em nome de centenas e centenas de pessoas que sequer conhecem? Argumentos assim são completamente vazios, e revelam como uma impressão pessoal pode querer se colocar como postulado coletivo. Só para registrar, os espetáculos da Companhia Silenciosa sempre atraem um grande número de espectadores, dos mais variados nichos, incluindo pessoas desavisadas que se deparam com tais acontecimentos na rua (no caso de “Los Juegos”). E muitos desses espectadores assistem mais de uma vez, o que é um sinal de que talvez o que fazemos é de interesse do público, sim. Não de todo público, evidentemente, como toda a arte.

    Terceiro: Da mesma meneira que “Los Juegos” não tem estrutura para quem só vê estruturas racionais fechadas, também não tem posicionamento político para quem só considera político o ato de escrever “peças sociológicas” (parafraseando Escaparate). Nosso posicionamento político é justamente esse: trabalhar com questões para além do panfletarismo (termo, por sua vez, bastante complicado e gasto, já) – questões corporais, sensoriais, sensitivas, afetivas, erotizantes… Nesse sentido, acho equivocado concluir que “Los Juegos” não dá chance para o espectador participar ou interferir na ação. Afinal, estamos na rua, e a rua é de todos que ali estão. Qualquer um poderia entrar na cena, como de fato ocorreu algumas vezes. No entanto, esse tipo de interação não é o foco do trabalho: pode ou não acontecer. A interação, a afetação (de afeto, de afetividade) se dá mesmo que à distância. E, convenhamos, dialogar politicamente com a platéia não se resume a situações à la Brecht e Boal. A nossa política é a micropolítica. É nisso que acreditamos.

    Bem, espero ter contribuído com a discussão. E fico à disposição para continuar conversando.
    Um abraço a todos.

  11. Nota para a Companhia Silenciosa: ninguém lê esse blog. Só o computador do Google entra aqui, mas é porque ele entra em todos os blogs. Não revelo os números porque eles são muito vergonhosos hahahahhha.

    Mas, em outras palavras, VOCÊS NÃO PRECISAM SE DEFENDER AQUI! Que eu tenha falado que não gostei tanto assim não faz diferença alguma. E eu nem falei, na real.

    Se vocês querem falar sobre isso, a gente toma uma cerva um dia desses, mas, sinceramente, não acho que vocês estejam interessados na minha opinião, na real.


Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

Follow

Get every new post delivered to your Inbox.

Join 104 other followers

%d bloggers like this: